domingo, 13 de novembro de 2011

Sobre galinha, vaca e piranha

     Ela parecia carregar um outdoor gigante iluminado por lâmpadas néon escrito em letras garrafais: "ME COMA ANTES QUE A MINHA CARNE PEREÇA". Ela era o que se denominava vulgarmente de galinha, e, como toda espécie evolui, logo se transmutaria em vaca, sem antes transitar por outro reino e nadar em outras águas como piranha. Enfim, ela própria chegaria a conclusão de que como galinha não alçaria voos, como vaca ruminaria por pastos secos, como piranha nadaria e morreria na beira do rio. Então, ela resolveu dar passos maiores e se tornou prostituta, dessas que em início de carreira, a garotada faz fila em volta do quarteirão onde está localizado o puteiro; isso sei por experiência própria, explico-me.
   Cansado das aulas de matemática e de suas somas de zeros redundarem em nada - eu queria era somar um mais um, ou, até mesmo, um mais zero, desde que fosse com o sexo oposto. -, convoquei os meus colegas de classe para cabularmos a aula e ir ao puteiro próximo da escola, pois havia chegado uma nordestina porreta, arretada e apertada. Tirando alguns CDFs, a classe masculina compareceu a convocação.
   Encontramos o cafetão, sentado, com a sua gata de estimação no colo, usando os dedos para masturbá-la. Segundo ele, a gata no cio era mais nervosa do que a mulher de TPM. A fila dava voltas no quarteirão, cliente antigo, furei a fila e fui o primeiro. Carne nova tem que ser comida sem muito caldo para saber de seu gosto, o restante da fila que se contentasse com um bom ensopado. Saí do puteiro sabendo matemática, não como Tales de Mileto, mas somando na pratica um mais um e um mais zero com o sexo oposto, tanto quanto o sexo oposto de subtração me ensinou ao me fazer saber que minha mesada tinha ido pro saco.
   Não sei quem foi que disse a minha mãe que algumas partes dos animais, cozidas, servem como revigorante. Saí do puteiro exultante e feliz, porém, bastou eu chegar em casa para a minha mãe dizer que estava pálido e precisava de uma cumbuca do seu revigorante. Ela voltou da cozinha com um ensopado de sobrecu da galinha. Enjoado, ao terminar de comer o ensopado, eu ouvi o riso entre dentes da minha prima e, logo em seguida, vi o seu outdoor gigante iluminado por lâmpadas néon escrito em letras garrafais: "ME COMA ANTES QUE MINHA CARNE PEREÇA".
   A minha prima é, como os patriarcas da família dizem, o galho podre da árvore genealógica, contudo, prefiro como os primos a define, a última maçã da macieira. E dentre todos os primos, eu era o único que não conhecia o gosto da fruta.
   Festa de Natal, eu estava tomando o meu ponche tranquilamente quando ouço a voz da minha prima:
   - O ruim dessas reuniões familiares é um falar mal do outro, o outro falar mal de um e tanto um como o outro não reclamar por saber que há muita verdade no que está sendo dito. Além disso, há esse ponche de maçã horrível, e no fim da festa, a rabanada de sua mãe, com exceção do seu pai, ninguém gosta. Tenho coisa melhor em minha casa para ser comida. Ah! Ia esquecendo dizer, a minha rabanada não é polvilhada com açúcar e canela.
   A alusão a rabanada me empolgou, contudo a minha tia cortou o meu apetite ao falar.
   - V..., leva o seu irmão P... que ele quer dormir.
   Sem cerimônias, ela pegou o seu irmão pelo colo, piscou para mim e meneando a cabeça fez sinal para segui-la. Os meus órgãos degustativos começaram a salivar ao divisar a rabanada diante de si, e a filha da puta ia rebolando cadencialmente. Provocando, cada banda da bunda soletrava: "me-co-ma". Em sua casa, ela depositou o seu irmão, atravessado, na cabeceira da cama e, pegando-me pela camisa, empurrou-me sobre o colchão ao pé da cama. Arrancou a minha calça juntamente com a cueca e, ajoelhada, chupou o meu pau. Despregando os botões, os da camisa, ela montou em cima de mim gritando talmente o jóquei ao divisar a vitória antes de cruzar a linha de chegada. Quando o seu irmão despertou, ao invés de sair de cima de mim, ela enterrou a cabeça dele com a mão no colchão. Receoso que ela o sufocasse, eu a esbofeteei uma, duas, três vezes tentando tirá-la de cima de mim, quando dei por mim, estávamos aos gemidos lutando box. O nosso gozo escorreu pelas minhas coxas ao mesmo tempo em que o seu irmão tossindo, sufocado, pedia socorro. Saí do quarto lestamente em direção ao banheiro para não ser reconhecido pelo primo. Poucos minutos depois, ela entrou no banheiro com um copo com Dreher e Martini, sentou no meu colo, ofereceu o drink, entrelaçou os seus braços sobre o meu ombro e sussurrou em meus ouvidos:
   - Quando adolescente, o meu desejo era que você quebrasse o meu cabaço, mas você não estava preparado para isso. Agora, que tal você quebrar o lacre do único buraco meu que não foi comido.
   Ela era uma mentirosa vulgar, porém, a sua vulgaridade me fascinava.
   - Em ouvido e nariz o "edinho" não consegue entrar. - Eu lhe disse.
   Ela, aos risos, sussurrou como se mastigasse cada letra da frase com gozo:
   - Eu quero que você quebre o lacre do meu rabo. Quero sentir o teu pau latejando no meu cu.
   Ela correu à cozinha, voltou com um pote de margarina Delícia, untou o meu pau e o chupou até ficar em posição de sentido. Virou-se e sentou em cima do "edinho". Vi ela se descabelar e chorar de desespero, pois o "edinho" não entrava no seu cu, ora vergava para a direita, ora para a esquerda. Afoita, ela, novamente, foi à cozinha trazendo todos os óleos ali existentes, do de soja ao de oliva. Infelizmente o "edinho" tinha pedigree, era um legítimo Ribeiro, devido a sua dimensão e espessura, não entraria.
   Quando ela saiu do quarto com uma sacola de supermercado cheia de produtos da Avon, eu tive certeza, ela era uma maníaca sexual. Cremes antiidades floriam em suas mãos. Receoso de que ele usasse aqueles cremes, eu lhe disse: "Nananinanão, você não vai usar...". Antes que eu completasse a frase, ela me interrompeu.
   - Primo Eder, eu não vou passar o creme em seu saco, pode ficar tranquilo, ele permanecerá enrugado. Vou usá-lo na sua rola. - Disse isso enchendo as mãos com os cremes e partindo para cima de mim com olhos famintos, mais ainda, o olho cego.
   - Por isso mesmo, vai que o creme funciona e o "edinho" volta a sua velha infância, ou seja, ao invés de ser um RIBEIRO com dois pontos e, entre eles, um longo e volumoso ponto de exclamação, passa a ser um ribeiro com minúsculas reticências.
   Quem disse que ela me ouviu, usou tantos potes de creme antiidade que daria para a minha tia rejuvenescer uns trinta anos, e olha que ela precisava. Porém não adiantou, por mais que ela tentasse, o "edinho" batia na trave e não entrava no gol. Enfim, ela desistiu. Quando estava saindo, ela me jogou contra a parede do banheiro dizendo-me: "Você não vai sair sem se despedir de mim". Assim que ela colocou a perna no vaso, e, com as mãos, enfiou o "edinho" na sua buceta, ao mesmo tempo, a minha tia enfiava a chave no buraco da fechadura da porta de entrada da casa. O barulho da abertura da porta nos salvou. Corri para o quarto, joguei-me embaixo da cama e ela atrás de mim empurrava as minhas roupas, a garrafa de Dreher e Martini e as sobras da pizza que havíamos pedido horas antes. Devido à cama ser baixa, eu tive que virar a cabeça - a de cima - de lado senão não entrava. Não obstante, as sobras de pizza não couberam embaixo da cama, eu tive que engoli-las; a garrafa de Dreher não cabia em pé, entornei-a de uma vez; a garrafa de Martini teve o mesmo destino. Neste dia perdi a minha paciência e nunca mais a recuperei. Foram horas exsudando a espera da saída da minha tia.
   Quando cheguei em casa, vomitei pizza em pedaços para tudo que é lado. Durante a primeira semana, a minha mãe me fez tomar caldo de rabo de piranha para depois introduzir ensopado de sobrecu de galinha e, finalmente, uma rabada de vaca. Jurei a mim mesmo nunca mais comer qualquer parte traseira dos animais.
   Após um mês, devido à insistência da minha prima, eu quebrei as juras.
   Ela conseguiu, eu marquei o gol.

 Imagem clique AQUI

8 comentários:

Milla Pereira disse...

KKKKKKKKK... Eder, eu estava precisando dar boas risadas hj. Vc conseguiu! Rsrsrsrsrss...
❤ ๑ƸӜƷ❤ love๑ƸӜƷ❤ love๑ƸӜƷ❤ ๑ƸӜƷlove
♥♥ ◕‿◕♬ ღღღ AMOR ღღღ ♬ ◕‿◕ ♥♥♥Amigo(a)!
✿•..(¯`♥´¯)(¯`♥´¯)(¯`♥´¯)¸•✿
........`•(¯`♥´¯)(¯`♥´¯)¸.♥ Estive ausente
.............`•(¯`♥´¯)¸.•...do convívio
.....•//°*"˜ ☆ ¸..•´¨¨)) -:¦:-desta blogosfera,
.(ړײ)/       ¸.•´….•´¨¨))por conta das ameaças
.«▓       ((¸¸.•´ ¸.•´.-♥ de vírus em meu Blog.
((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸♥ Fiquei com receio
((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸♥de levar links contaminados
((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸♥aos seus Blogs.
((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸♥Parece-me que agora
((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸.•´ ¸.•´.-♥((¸¸♥tudo está normalizado.

❤❤ME DESCULPEM O “COPIE” E “COLE”- É SÓ POR HJ! ❤❤
..╝╚..★★ ★★ ✿⊹⊱ ✿⊹⊱ ✿✿⊹⊱ ✿⊹⊱ ✿✿⊹⊱ ✿⊹⊱ ✿✿⊹⊱ ✿⊹⊱ ✿
❤❤❤❤Beijos com carinho de Milla❤❤❤❤

. intemporal . disse...

.

.

. um texto hilariante . porque hilariantes são também alguns momentos de uma vida inteira . que de.certo jamais esqueceremos .

.

. os meus parabéns ! .

.

. um forte abraço .

.

. paulo .

.

.

Vivian disse...

...mas este zoológico surtiu
grandes e inesquecíveis
aventuras, né?

rendeu até crônica...rsrs

maravilha de post.

bjokas, alma criativa!

Jeanne Geyer disse...

Muitas trapalhadas e aventuras,rsrsrs

experiências inesquecíveis,rsrs
Beijos

Mari disse...

Muito engraçado esse conto... :-)

Mari disse...

Adorei! :-) Muito engraçado!

Lua Nova disse...

rsrsrsrsr...que confusão!!! Admirei a "determinação" de sua prima! E saiu vitoriosa!!! rsrrsrsr...
Beijokas.

silvioafonso disse...

.


O que atrapalhou foi a
pizza.

Gostei do conto e da ma-
neira como foi contada.

Palhaço Poeta







.